Página Inicial / Capítulo III / Benefícios de desemprego

Princípio 13

Benefícios de desemprego

O Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) tende a reduzir a adequação e a cobertura dos regimes de subsídio de desemprego a favor do equilíbrio dos orçamentos públicos, mas em detrimento da protecção dos trabalhadores. No entanto, as prestações de desemprego diminuíram (rácio de substituição, ou duração das prestações, obrigações do beneficiário não associadas à participação na ALMP, etc.). O objetivo de alinhá-lo em maior medida com as políticas ativas do mercado de trabalho continua válido para alguns países. Depende de modelos nacionais e a UE não harmoniza o desempenho das medidas de ativação. As consequências disso podem ser vistas nas contas nacionais e nas taxas de pobreza como parte do processo de avaliação comparativa dentro do Semestre da UE.

Uma iniciativa da UE sobre a livre circulação de trabalhadores e a portabilidade dos direitos nas transições do mercado de trabalho pode desencadear a convergência no domínio dos direitos dos trabalhadores a prestações de desemprego adequadas e / ou medidas de ativação para a transição do desemprego para o emprego ou de contratos de trabalho temporários para convencionais .

A Comissão Europeia está trabalhando em uma proposta para um esquema europeu de resseguro de benefícios de desemprego. Provavelmente será concebido como um instrumento de estabilidade fiscal em vez de instrumento do mercado de trabalho, com a consequência indesejada de que a sustentabilidade será mais relevante do que a adequação do desempenho. O regime de resseguro não deve interferir com as regras e práticas dos sistemas nacionais nem servir como um novo instrumento para disciplinar os Estados-Membros e / ou harmonizar os sistemas nacionais de seguro de desemprego. Um esquema europeu de resseguro-desemprego poderia contribuir para garantir um padrão básico de apoio durante os ciclos de desemprego. A ideia de estabelecer EURS já foi discutida antes do surto de Covid-19, mas as consequências económicas e sociais da pandemia tornam a discussão de tal instrumento ainda mais necessária. Deve ficar claro que o SURE não substitui a necessidade de uma discussão sobre um esquema mais permanente.

Em relação ao benchmarking dentro do Semestre Europeu, mais ênfase poderia ser colocada em jovens trabalhadores particularmente afetados pela precariedade no início da carreira e que, por vezes, são ainda mais penalizados no âmbito do regime nacional de subsídio de desemprego em vigor ou mesmo ignorados. O mesmo pode se aplicar aos trabalhadores com idades entre 52 e 67. A questão das penalidades também parece relevante tendo em vista as reformas estruturais que se espalham por toda a Europa para reduzir o acesso dos candidatos a emprego aos regimes de subsídio de desemprego ou para criar mais precariedade entre os candidatos a emprego através do prisma da austeridade . Além disso, deve ser abordada a tendência crescente, em alguns Estados-Membros, de tornar os candidatos a emprego “invisíveis” para servirem ganhos políticos a curto prazo - começando pelos jovens NEET.

Ações destinadas a estabelecer um piso mínimo de direitos na UE, condições de concorrência equitativas no mercado único

  1. Investigar o valor acrescentado de um instrumento jurídico que, no quadro da livre circulação de trabalhadores, estabeleceria o direito de acesso e portabilidade de direitos tanto a subsídios de desemprego como a pacotes de PAMT disponíveis para trabalhadores desempregados.
  2. Estabelecimento de um esquema europeu de resseguro-desemprego.
  3. Referência ao Título X do TFUE, que estabelece normas mínimas juridicamente vinculativas para as prestações de desemprego em termos de cobertura, adequação, direito à formação e duração dos direitos.

Ações que visam estabelecer uma convergência ascendente nas condições de vida e de trabalho

  1. Sistemas de benchmarking para indicadores: desemprego de longa duração e gastos do governo com PAMT.
  2. A Estratégia Europeia de Emprego e a Rede Europeia de Serviços Públicos de Emprego devem ser mais desenvolvidos.
  3. Desenvolvimento de indicadores e benchmarks que impulsionem a convergência ascendente no desempenho dos regimes de subsídio de desemprego, em apoio ao estabelecimento de padrões mínimos e características de salvaguarda para os sistemas nacionais.